carregando
Moda

Mecanismos da moda | Por Xico Gonçalves

As primeiras vitrines de verão já começam a exibir nas lojas de qualquer cidade as tendências para o próximo calor. Mesmo trabalhando com os mesmos produtos a moda sempre se renova. Muita gente fica impressionada e querendo saber como acontece este processo que resulta coeso, criativo e sedutor a cada nova temporada. O percurso da moda desde o momento da concepção como tendência até chegar às vitrines é longo.

Não existe mais a criação de atelier do passado, onde um só costureiro poderia definir a silhueta da estação.  Hoje um estilista chega a ter duzentos colaboradores, antenados na moda das ruas e novos comportamentos.

A moda não nasce ao acaso. É fruto de uma pesquisa incessante em cima do que pode virar consumo.

Desfile do Alexander McQueen

Tendências
O mecanismo da moda é complicado e requer muitos anos para chegar até a loja. Três anos para ser mais exato. O processo inicia filtrando correntes que vêm das ruas, sentimentos, acontecimentos, anseios e desejos, transformando este caldeirão cultural em tendências que amarram em estilo e cores os lançamentos da temporada.

Política
Elaboradas as tendências, indústrias poderosas saem em pesquisa de matéria-prima. Interesses políticos, econômicos e sociais muitas vezes definem mais a moda que a criatividade de um estilista.

Cores
A falta ou abundância de alguns pigmentos determinam as cores, mas é importante mudar, não importa o tom.

Bureaux de Style
Concluídas as pesquisas e localizada a matéria-prima, entra no circuito o chamado CCIMM, organismo que centraliza essas decisões e se comporta como um centro internacional de negócios voltado ao mercado de moda. Os “Bureaux de style” (escritórios onde são elaboradas e organizadas as cores e volumes) começam a preparar os tons e as texturas de fios em diversos materiais para serem apresentados em feiras especializadas.

Tecidos
Conhecidas as tendências para os fios, são desenvolvidos tecidos e estampas, tudo com base na tendência da temporada. Pode ser retrô, futurista ou natural.

Estilistas
Seis meses são gastos pelos estilistas para o beneficiamento dos tecidos, transformando ideias em roupa ou acessórios, apresentando com grande alarido a milhares de pessoas, entre elas compradores e jornalistas, que acabam determinando a glória ou o ocaso de uma estrela da moda.

Desfiles
Nas passarelas, muitas vezes desfilam roupas que precisam de bula para decifrar ou peças tão absurdas que fazem com que o mundo pergunte em coro: quem usará tal loucura? O motivo deste alarido é porque roupas banais não rendem manchete ou primeira página. De olho nestes preciosos espaços editoriais espontâneos, que podem revelar um nome de um dia para o outro, estilistas se permitem desvarios em troca de notícias. A roupa pode não vender, mas populariza o criador e possibilita faturar com perfumes, cosméticos e outros babados.

Pedidos
Ponta do processo de toda a manobra. Os novos estilistas internacionais, que aparecem do nada, são patrocinados por grandes indústrias têxteis japonesas, alemãs e italianas, e tem três anos para rechear com suas criações os blocos de pedidos. Se não pintar negócios, o estilista mesmo genial fica desacreditado e pode ser substituído. Como um técnico de futebol.

Vitrine
Finalmente a roupa chega à vitrine, desafiadora, inovadora e apaixonante. Já parou para pensar quanta mão-de-obra é investida neste processo? Talvez isto explique por que países do primeiro mundo mesmo com tecnologia de ponta, ainda acreditem no poder desta indústria artesanal, não só como geradora de impostos, mas também como uma atividade que pode dar trabalho a milhares de pessoas. No Brasil, a cadeia de moda, mesmo sem receber a importância que merece, é o segundo maior gerador de empregos do país.

Divulgação
A moda não acontece se não houver divulgação. Jornais, revistas, blogs, redes sociais e programas de moda são fundamentais para que novas ideias sejam disseminadas. Por isto a importância de certos jornalistas que acabam definindo junto a seus leitores o que pode virar moda de verdade.

*Xico Gonçalves é um queridão que aceitou nosso convite para fazer essa matéria especial, pois somos admiradoras do trabalho desse gaúcho talentoso e expert no assunto. Jornalista e consultor de moda, Xico foi apresentador na RBS TV e na TV Com, escreveu para os Jornais Zero Hora e Diário Catarinense. Trabalhou na produção de eventos como: Donna da Capa, Concurso Garota Verão, Donna Fashion Iguatemi e muitos outros projetos. É autor do livro ABC da Moda e atualmente escreve para a Revista Pais & Filhos.

Deixe um comentário

Favoritos